Microsoft arquiva seu caso de aquisição da Activision com regulador de concorrência da UE

A Microsoft apresentou oficialmente seu caso para sua proposta de aquisição da Activision Blizzard com a Comissão Europeia.

Em um documento na sexta-feira, o órgão de fiscalização da concorrência europeia confirmou que estabeleceu um prazo provisório de 8 de novembro para concluir o acordo de US$ 68,7 bilhões ou optar por entrar em uma segunda fase de investigação mais detalhada.

Nas próximas semanas, a Comissão Europeia analisará o acordo durante o que é chamado de revisão da “fase I”.

O objetivo é decidir se a fusão reduziria significativamente a concorrência no mercado, por exemplo, criando empresas dominantes que provavelmente aumentariam os preços para os consumidores.

Se ainda tiver dúvidas sobre o acordo após sua investigação, a Comissão lançará uma revisão de fase II, que é uma análise mais aprofundada dos efeitos da concentração na concorrência.

De acordo com uma reportagem do Financial Times deste mês, reguladores e outros envolvidos na fusão entre Microsoft e Activision esperam uma longa investigação da UE.

“É um grande negócio, um negócio difícil”, disse uma fonte de Bruxelas familiarizada com a transação à publicação. “Precisa de uma extensa investigação.”

A aquisição está sendo examinada por reguladores de todo o mundo em meio a preocupações antitruste durante um período de crescente consolidação na indústria de jogos.

No início deste mês, a Autoridade de Concorrência e Mercados do Reino Unido (CMA) disse que sua investigação sobre a fusão foi oficialmente expandida para uma segunda fase devido a uma série de preocupações.

Notavelmente, a CMA está preocupada com o impacto que o acordo poderia ter na capacidade de competição do PlayStation, já que veria a Microsoft ganhar a propriedade da série Call of Duty.

No início deste mês, o chefe do Xbox, Phil Spencer, disse que a Microsoft se comprometeu a disponibilizar Call of Duty no PlayStation por “mais vários anos” após o atual acordo de marketing da Sony com a Activision expirar.

Acredita-se que o atual acordo de Call of Duty entre a Sony e a Activision cubra o Modern Warfare 2 e Warzone 2 deste ano, e um novo jogo da desenvolvedora de Black Ops Treyarch, que pode não chegar até 2024.

O CEO da Sony Interactive Entertainment, Jim Ryan, que supostamente está buscando acesso a futuros jogos de Call of Duty em termos iguais e perpétuos, respondeu chamando a proposta da Microsoft de manter a série nos consoles PlayStation “inadequada em muitos níveis”.

Publicidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: