Microsoft afirma que “simplesmente não seria lucrativo” tornar o Call of Duty Xbox exclusivo

A Microsoft reiterou sua alegação de que não tem planos de tornar Call of Duty um exclusivo do Xbox, caso adquira com sucesso a Activision Blizzard.

Em um documento enviado ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) do Brasil discutindo a aquisição proposta, a Microsoft afirma que quaisquer preocupações de que Call of Duty não apareça mais no PlayStation são infundadas porque “simplesmente não seria lucrativo” para a Microsoft.

“Independentemente de quão surpreendente seja a crítica da Sony à exclusividade de conteúdo – dado que toda a estratégia do PlayStation foi centrada na exclusividade ao longo dos anos – a realidade é que a estratégia de manter os jogos da Activision Blizzard ao não distribuí-los em lojas de console rivais simplesmente não ser lucrativo para a Microsoft”, afirma a empresa nos documentos.

“Tal estratégia seria lucrativa apenas se os jogos da Activision Blizzard fossem capazes de atrair um número suficientemente grande de jogadores para o ecossistema do console Xbox, e se a Microsoft pudesse obter receita suficiente com as vendas de jogos para compensar as perdas por não distribuir esses jogos em consoles rivais. ”, acrescenta.

“Como se isso não bastasse, as estratégias de exclusividade ainda resultam em custos específicos do título”, afirma, dando mais informações que foram redigidas do documento, provavelmente devido à confidencialidade.

“Esses custos, adicionados às vendas perdidas estimadas […] acima, significam que a Microsoft não seria capaz de compensar as perdas obtendo maiores receitas no ecossistema Xbox como resultado da implementação da exclusividade.

“Isso é especialmente verdade considerando (i) a estratégia ‘centrada no jogador’ – em oposição à ‘centrada no dispositivo’ – que a Microsoft foi pioneira com o Game Pass, e (ii) o fato de que o PlayStation tem os usuários mais leais em seus vários gerações, com todas as indicações de que a fidelidade à marca se acumulou nas rodadas anteriores das ‘guerras dos consoles’, sugerindo que a PlayStation continuará a ter uma forte posição no mercado”.

Continuando a insistir em seu caso, a Microsoft afirma que, mesmo que tornar o CoD Xbox exclusivo fosse lucrativo, sua implementação “não teria impacto competitivo”, em parte devido à “intensa concorrência no mercado de publicação de jogos”, ao fato de que estratégias de exclusividade são comumente adotadas na indústria de jogos e o fato de que os consoles rivais desfrutam de um alto grau de fidelidade dos jogadores.

Em resumo”, conclui, “a adoção hipotética de qualquer estratégia de descontinuação de conteúdo não seria lucrativa para a Microsoft e, mesmo se implementadas, tais estratégias não teriam impacto competitivo, pelos motivos descritos acima”.

Em sua primeira resposta à proposta de aquisição da Activision Blizzard pela Microsoft, publicada em janeiro, a Sony disse que espera que os jogos Call of Duty permaneçam multiplataforma devido a “acordos contratuais”.

O chefe de jogos da Microsoft também confirmou posteriormente sua intenção de manter o Call of Duty nas plataformas PlayStation assim que a aquisição da Activision Blizzard pela Microsoft for concluída.

No entanto, mais tarde foi alegado que a Activision Blizzard está contratualmente comprometida em lançar apenas os próximos três jogos Call of Duty para consoles PlayStation, incluindo Modern Warfare 2 deste ano.

A série Call of Duty está regularmente entre os jogos mais populares do PlayStation. No ano passado, a série foi o primeiro (Vanguard) e o terceiro (Black Ops Cold War) jogos mais vendidos no PlayStation nos EUA, de acordo com o NPD.

Comentando os comentários anteriores da Sony sobre a importância da marca Call of Duty, Chris Dring, da GamesIndustry.biz, afirmou que a franquia de atiradores que permanece no PlayStation realmente beneficiaria o Xbox.

“A Microsoft não está tão interessada na batalha dos consoles. Ele acredita que o futuro dos jogos será por meio de streaming e assinaturas. Call of Duty não é tanto um motivo para comprar um console Xbox, mas um motivo para assinar o serviço de assinatura do Game Pass”, escreveu ele.

E é aí que a PlayStation está certa em se preocupar. Porque Call of Duty é o jogo No.1 no PS4 e PS5. Se esse acordo for concluído, a Microsoft será dona do jogo mais popular no PlayStation. E que oportunidade é essa. O marketing se escreve: ‘Cansado de gastar US $ 70 todos os anos neste jogo? Quer itens e pontos extras no jogo? Em seguida, assine o Game Pass. Você pode até transmiti-lo no celular.

A Microsoft poderia falar diretamente com a própria base de fãs do PlayStation em seu próprio console, colocando a Sony em uma posição impossível de rejeitar o jogo mais popular de seu console ou aceitar o que poderia equivaler a um enorme anúncio de Game Pass disfarçado de jogo de tiro em primeira pessoa. .”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: