Thor: Amor e Trovão: 5 sentimentos que tive enquanto assistia ao filme da Marvel

Esta peça contém alguns SPOILERS IMPORTANTES para Thor: Love and Thunder, então tenha cuidado se você ainda não assistiu ao filme.

O Universo Cinematográfico da Marvel há muito tem uma história de fazer o público experimentar uma série de sentimentos com incríveis momentos emocionais que foram demais para alguns fãs, bem como cenas incrivelmente emocionantes que deixaram os fãs pulando de alegria. É seguro dizer que a mais recente adição à franquia de longa duração fez isso novamente com o surpreendente Thor: Amor e Trovão, pelo menos para mim.

Enquanto assistia ao quarto filme solo de Chris Hemsworth como o Deus do Trovão, não pude deixar de ser dominado por tantos sentimentos, que incluíam hilaridade devido a algumas das linhas mais bem escritas e entregues de Taika Waititi, pura emoção por conta daqueles olhos- capturando sequências de ação e tristeza total em mais de uma ocasião. Agora que o tempo passou e minhas emoções se acalmaram um pouco, sinto que é um bom momento para voltar e quebrar cinco sentimentos que tive enquanto assistia ao filme da Marvel.

Thor: Amor e Sentimento de Trovão #1 – Hilario

Assim como ele fez com Thor: Ragnarok, o diretor Taika Waititi encontrou uma maneira de inserir uma tonelada de risadas em seu segundo esforço da Marvel, e as piadas funcionam na maior parte. Claro, há momentos em que a enxurrada constante de frases curtas e pequenos apartes distraem a história geral, mas a maior parte dessas piadas me fez rir audivelmente na minha cadeira. Há tanta coisa que funciona sobre o senso de humor único de Waititi, especialmente com um personagem como Thor e um ator como Chris Hemsworth.

Eu não conseguia me conter sempre que Korg (dublado por Waititi) estragava o nome de Jane Foster chamando-a de tudo de Jane Fonda e Jodie Foster ao contar a história de Thor. Essa história, a propósito, foi a maneira perfeita para o filme criar uma tonelada de exposição sem adicionar muito ao tempo de execução geral do filme. Mas não foi apenas Korg que me fez rolar de rir, pois o próprio Thor teve alguns momentos incrivelmente engraçados, especialmente quando ele deixou o Stormbreaker com ciúmes depois de descobrir um Mjölnir remontado.

Thor: Amor e Sentimento de Trovão #2 – Felicidade

Não tenho vergonha de dizer que Korg trouxe tanta alegria à minha vida sempre que ele estava na tela em Thor: Amor e Trovão, porque eu sempre amei esse personagem e há muito tempo pensei que ele deveria ter sua própria série no Disney +. Quando ele compartilhou sua história de origem sobre seus pais Kronan se conheceram dentro de uma caverna e deram as mãos sobre um vulcão por um período prolongado para dar à luz a ele, não pude deixar de sentir o amor que ele sentia por eles e por sua vida como um todo. Então, mais tarde, quando Korg encontrou o amor e teve um parceiro chamado Dwayne (uma possível homenagem a Dwayne “The Rock” Johnson), eu estava radiante de felicidade.

Outro momento incrivelmente feliz veio na segunda sequência de créditos finais de Thor: Amor e Trovão, que mostrou Jane Foster (Natalie Portman) sendo recebida em Valhalla por ninguém menos que Heimdall (Idris Elba). Foster, que essencialmente se sacrificou para ajudar Thor a derrotar Gorr, o Carniceiro de Deus (Christian Bale), finalmente ficou livre de sua dor, e nós, o público, finalmente pudemos ver Heimdall após seu próprio ato de sacrifício em Vingadores: Guerra Infinita.

Thor: Amor e Sentimento de Trovão #3 – Tristeza

Thor: Love and Thunder é hilário e tem muitos momentos felizes, mas eles são necessários para equilibrar a tristeza pura e absoluta que prevalece por toda parte. O filme não perde tempo batendo na sua cabeça com um martelo de pura tristeza com uma das apresentações mais perturbadoras que vimos para um vilão do MCU. Nos minutos iniciais do filme, Gorr e sua filha, Love (India Hemsworth), estão sobrevivendo em um deserto árido antes que a jovem morra, deixando o futuro vilão sozinho. Eu chorei em vários filmes da Marvel ao longo dos anos, mas não como chorei ao ver a sepultura improvisada que o pai de luto construiu. Eu estava absolutamente arrasado.

A morte é predominante em Thor: Amor e Trovão, seja com Gorr planejando sua vingança para vingar sua filha, Jane Foster sucumbindo ao câncer ou Rei Valquíria (Tessa Thompson) lançando mais luz sobre a perda de seu parceiro na batalha referenciada em Thor: Ragnarok. Isso deve ser esperado de Taika Waititi, que notoriamente equilibrou vida e morte, e felicidade e tristeza, em seu filme vencedor do Oscar Jojo Rabbit.

Thor: Amor e Sentimento de Trovão #4 – Emoção

Mesmo que eu tenha derramado algumas lágrimas durante Thor: Amor e Trovão, o filme foi tão emocionante que eu estava sentado na beirada do meu assento esperando para ver o que aconteceria a seguir. Uma das cenas mais emocionantes de todo o caso veio logo no início, quando finalmente vimos os Guardiões da Galáxia em ação pela primeira vez desde a épica batalha de Vingadores: Ultimato, e foi um colírio para os olhos. Ver aquele grupo desorganizado em batalha me deixou tão empolgado com o que está por vir para eles quando Guardiões da Galáxia Vol. 3 estreia nos cinemas em maio de 2023.

Houve outros momentos emocionantes espalhados por toda parte (a batalha de Nova Asgard e a chegada à Cidade da Onipotência rapidamente me vêm à mente), mas uma cena na qual não consigo parar de pensar é a batalha no Reino das Sombras. O filme, em sua maior parte, estava cheio de cor e estilo, mas a tela ficou em preto e branco quando Thor e sua equipe trouxeram a luta para Gorr no ato final. Isso ficou ainda melhor sempre que Thor balançava o Stormbreaker para trazer breves flashes de cor de volta à luta.

Thor: Amor e Sentimento de Trovão #5 – Medo

Thor: Amor e Trovão não chega nem perto dos elementos de terror em Doutor Estranho no Multiverso da Loucura, mas isso não quer dizer que eu não tenha ficado aterrorizado ao longo do filme. Isso foi especialmente verdadeiro na batalha em Nova Asgard, quando Gorr roubou as crianças asgardianas e, mais tarde, quando ele agiu como o pior artista de festa de aniversário de todos os tempos.

Na verdade, quase tudo sobre Gorr era assustadoramente aterrorizante em Thor: Amor e Trovão. Motivado pela morte de sua filha, pela qual ele responsabiliza os deuses, Gorr não tinha nada a perder em sua busca para eliminar os deuses e alcançar os portões da eternidade. Não há nada mais aterrorizante do que um vilão motivado sem nada a perder. Ah, e o poder corrompido da Necrosword só aumenta isso.

Em suma, Thor: Love and Thunder atingiu a iluminação e encontrou um ótimo equilíbrio (como todas as coisas deveriam ser) com sua combinação de tons. Eu ri, chorei e mordi minhas unhas até o fim neste passeio selvagem e gratificante. Mal posso esperar para ver como qualquer um dos próximos filmes da Marvel combina com isso.

Publicidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: